Portal do TCE
Página do TCE-MT no Facebook
Página do TCE-MT no Twitter
Feeds de Notícias do TCE-MT
Tamanho da letra: A A A

Artigos

Terça, 13 de Outubro de 2020, 00h00

Liderança Hereditária

Francisney Liberato Batista Siqueira

Muitos ainda acreditam que a liderança é um dom exclusivo de algumas pessoas, ou seja, o indivíduo já nasce com o perfil de ser um líder. É até possível que algumas pessoas possuem maior facilidade para assimilar, compreender, entender a liderança e aplicá-la na sua vida cotidiana.

Porém, apesar da facilidade de alguns indivíduos no trato com a liderança, não quer dizer que qualquer ser humano não pode desenvolver essa nova habilidade. Acredito que ambas as situações são verdadeiras, e que nas duas circunstâncias podem ser treinadas e aperfeiçoadas.

A expressão “filho de peixe, peixinho é”, muito comum no nosso dia a dia, significa que alguém é muito semelhante ao pai ou à mãe, em aparência ou personalidade. No entanto, mesmo que haja uma certa similaridade, não quer dizer que os filhos terão capacidade e habilidade iguais às dos pais.

Muitas vezes, o que se espera é que os pais sejam exemplo para seus filhos. Para isso, tomam atitudes responsáveis, zelam por um lar harmonioso e apresentam o ensinamento de valores morais e pessoais, com intuito de transformar o caráter daquele individuo em evolução. Nesse caso, os pais exercem um papel de liderança, afinal, ser um Líder é ser alguém digno de admiração que inspira as pessoas a sua volta a se tornarem melhores, tendo a si como modelo.

Entretanto, muitos filhos não têm esse exemplo dentro de casa e mesmo assim conseguem se transformar em pessoas íntegras, responsáveis e com total capacidade de liderança. Dessa forma, é possível perceber que o senso comum da expressão citada acima é muito relativo, uma vez que os filhos podem seguir o exemplo de seus pais ou desenvolver seu próprio senso de responsabilidade e se tornar um Líder.

Destaco que todos os seres humanos têm todas as possibilidades de adquirir novas habilidades para o desenvolvimento de sua vida, e a liderança é uma dessas habilidades.

No filme “O Segredo dos Animais”, cujo enredo é sobre a liderança de um boi, ele é responsável por organizar a vida, a segurança e o bem-estar de todos os animais no espaço da fazenda, não importando a espécie.

O segredo dos animais é relevado quando o dono da fazenda não está próximo deles. Ao “virar as costas”, os animais assumem características humanas, como andar sobre duas patas, conversar, brincar, cantar, dançar.

O boi pai, chamado de Ben, é extremamente sério, sereno, e responsável pela ordem do celeiro. Ben emite avisos diários sobre coiotes, que ameaçam todos os animais da fazenda. Já o filho adotivo, chamado de Otis, é um jovem que aprecia brincadeiras, contar piadas e fazer bagunça de modo geral.

Otis anda em bando com os seus amigos: Pip, o rato; Fred, o furão; Pedro, o galo, e Pig, o porco. Eles estão sempre dispostos a dar uma boa gargalhada e aprontar uma nova pegadinha. Percebam que, apesar do filho ser adotivo, ele teve todos os ensinamentos do seu pai de criação, contudo, a sua uma personalidade é totalmente diferente do seu pai adotivo. Se fosse um filho natural, é provável que também haveria diferenças de personalidades.

O pai era responsável, creio que seja pela maturidade; quanto ao filho, ainda jovem, não tinha responsabilidade e era o bagunceiro da fazenda. A princípio, não haveria nenhuma liderança hereditária para o Otis.

O pai alertava o filho para não fugir de suas responsabilidades, uma vez que ninguém é feliz assim. O filho não dava importância aos chamados do pai.

Porém, no decorrer do filme, o pai foi morto pelos coiotes. A bicharada da fazenda precisava eleger um outro líder. Um cão se prontificou para ser o líder, mas foi rejeitado pela assembleia dos animais. Então, abriu a possibilidade de o boi filho ser o sucessor do pai, mesmo estando ausente da reunião; ainda assim, foi eleito como o novo líder.

O filho não queria assumir a liderança do seu pai. Não obstante, ele se lembrou dos conselhos e dos cuidados do pai, com isso aceitou o desafio de ser um líder. O que, de fato, foi.

Existe a liderança hereditária? Pode ser que exista, em raras exceções, mas eu indico a liderança treinada, que está acessível a todos os seres humanos.

Se o filho levasse mais a sério a liderança do seu pai, pode ser que ele tivesse absorvido mais conhecimento e aplicado na sua vida, tendo o pai como coach, antes mesmo de perdê-lo. Com a morte do pai, o filho sentiu um grande sofrimento. Só depois de perdê-lo, conseguiu enxergar e valorizar os anos de dedicação que o seu pai exerceu na fazenda com todos os animais que lá moravam. A responsabilidade de que seu pai tanto falava chegou, e ele não estava preparado. O sofrimento é um despertar para o amadurecimento; só depois da perda, Otis conseguiu se transformar em um grande líder.

Em suma: agarre todas as oportunidades enquanto existem pessoas interessadas em te ensinar e te ajudar. A melhor liderança que existe é a liderança treinada, e não a liderança hereditária. Jamais podemos deixar que ocorra um vazio de um cargo de liderança para, só então, treinar os potenciais sucessores para assunção dessa missão.


58f32d90567c4f916e0f9726a2814686

Francisney Liberato Batista Siqueira

Auditor Público Externo do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, Palestrante Nacional, Professor, Coach, Mentor, Advogado e Contador. Autor dos Livros ?Mude sua vida em 50 dias?, ?Como falar em público com eficiência? e ?A arte de ser feliz?.


+ ARTIGOS
Flag MT

Tribunal de Contas de Mato Grosso
Copyright © 2012

Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT
CEP 78049-915 - Horário de Funcionamento: 08h às 18h - Fone: (65) 3613-7550 - Email: tce@tce.mt.gov.br